sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Tu.

Tudo por o que lutaste durante meses está cada vez mais longe, escapando-te por entre os dedos como se fosse areia. Por mais que tentes evitar ou tentes contornar as situações, mais tarde ou mais cedo acabam por te levar ao mesmo lugar: à dor.

(...)Moldaste-me naquela mulher sensual que sempre quis ser, mas num piscar de olhos arrancaste-me o coração com a tua cobardice. Quero odiar-te, mas amo-te. Quero esquecer-te mas estás em todo o lado. Quero que esta dor pare, que este amor se desvaneça de uma vez por todas... Isto não me faz bem, amar-te assim e ter que deixar-te ir. Não me faz bem chorar por ti e tu ai me falando de forma fria. Não me faz bem suplicar para que voltes sabendo que todos têm razão!! Estamos destinados ao fracasso! Por mais que tentemos não dá e, sinceramente, duvido que alguma vez dará. Gostava de amanhã poder acordar e nem me lembrar do teu nome. Não quero, mas preciso, esquecer-te de vez...

domingo, 15 de dezembro de 2013

Pra' quê falar de amizade?

Só sei falar de amor, de desilusões e tudo o que tenha a ver com almas-gémeas... 
Para quê falar de amizade se amigas não tenho? Nop. Apenas tenho irmãs espalhadas por ai, e elas sabem o quanto são importantes para mim mesmo que já não falemos tanto como antes. Umas até podem ter-se esquecido de mim, mas a nossa amizade sempre permanecerá. Amo-vos lindas*

A Ilusão em pessoa

Quando abri os olhos a luz do sol bateu-me nos olhos fazendo com que eu os rapidamente voltasse a fechar. Às apalpadelas sai da cama e fui para a casa de banho lavar a cara. Abri lentamente os olhos e, olhando para o meu reflexo, tentei decifrar o que se tinha passado na noite anterior pois eu estava de roupa interior e de cabelo completamente despenteado. 
Após tentar domar o cabelo, regressei para o meu quarto e fiquei estupefacta assim que me cheguei ao pé da cama... Estava ali deitado um homem moreno e musculado de cabelos negros! Mas quem era ele?! 
De repente ele agarra-me, puxa-me para dentro da cama e beija-me apaixonadamente. Não sabia o que fazer! Sussurrou-me ao ouvido para relaxar e apenas me deixar levar.
Acariciou-me os lábios com o pulgar e simultaneamente olhou-me nos olhos com desejo. Beijou-me novamente. Os seus lábios eram tão suaves e doces que provocavam em mim este desejo que querer mais e mais. Inspiro, expiro, suspiro. Ele toca-me suavemente... os seus movimentos são tão rápidos e ágeis que me impedem de me desenlaçar da fantasia... gemido... Ele prende-me em seus braços puxando-me mais e mais rápido para ele. Estamos tão perto do precipício, tão longe da realidade. Inspiro, expiro, suspiro. Não quero que ele pare... gemido... Caímos no precipício, ofegantes, beijámo-nos... Adormeço.
Voltei a abrir os olhos, está de noite, está escuro e estou sozinha na cama. Levanto os lençóis e vejo que o meu corpo está coberto por pijamas. Bocejo. Saiu desastradamente da cama e percorro a casa, porém não há sinal de ninguém, nem de vestígios de alguém ter estado em casa aquela manhã...  Bocejei. Voltei para a cama, deve ter sido apenas um sonho...

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013


" fear less, hope more, 
eat less, chew more, 
whine less, breathe more, 
talk less, say more, 
hate less, love more, 
and good things will be yours."


– swedish proverb

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Ele me faz tão bem*

Realmente é incrível como se pode nutrir várias emoções e sentimentos tão fortes em relação a uma única pessoa... Nunca senti algo assim. É intenso e vibrante, algo que me faz sentir tão bem. Ele faz-me sentir uma mulher sensual, confiante, sexy, capaz de fazer e ser tudo o que quero e sonho. Faz-me sentir bem, especial, amada, protegida, a mulher mais feliz deste mundo. 

Só ele é que consegue fazer-me sentir assim. Ele ama-me, eu sinto-o. Sinto-o na forma como me olha, como me sorri e como me beija; na forma como me abraça, como passa as mãos pelo meu pescoço e como me acaricia. Todo ele transpira amor e carinho. Ele não é só o homem da minha vida, é também meu melhor amigo e meu companheiro. 
Ambos, quando nos juntamos, somos capazes do impossível! Temos uma ligação tão forte que há pessoas que a invejam, também querem algo assim. Sim, é verdade que com uma paixão tão forte (e personalidades opostas) que haja uns arrufosinhos de vez em quando, mas isso é como em qualquer relação. Porém nem todos percebem e em vez de tentarem limitam-se a criticar e a julgar pelo que interpretam das situações que observam. A verdade é que nunca vão perceber como ele me faz tão bem.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Esta distância...

É difícil, não vou mentir, estar longe de ti nem que seja 20 minutos. Sinto uma falta enorme tua só por estar aqui, sozinha, escrevendo isto. São 15 minutos e não sei quantos kilómetros que nos separam, para uns parece pouco mas para nós já é demasiado. 
Custa-me todos os dias acordar e não ver a tua cara de sono e ouvir-te resmungar. Custa-me ir para a cama todas as noites sem te dar um beijo de boa noite e me enroscar nos teus braços. Custa. Mas custa-me ainda mais quando preciso de um abraço e consolo e não estás por perto para mos dar e consolar; ou quando algo de emocionante acontece e eu estou cheia de vontade de te abraçar e saltar contigo mas apenas posso ligar-te e contar-te o sucedido. Custa saber que sofres tanto ou mais que eu com isto tudo, e que ninguém nos percebe e muito menos querem perceber limitam-se apenas a criticar e a julgar-nos. 
Custa saber que depois de tanta luta que já demos, a guerra ainda não acabou.
Apenas quero que, apesar desta distância, guardemos na memória todo o tempo passado juntos e que nunca esqueçamos deste sentimento que não pára de crescer nos nossos corações.
 Amo-te LMMM!

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Overprotection...

 O que mais quero neste momento é ser livre. 


Quero que me deixem em paz. Quero que me deixem fazer o que quero, que me deixem ser livre de pensar e fazer o que quiser, que me deixem passar o tempo que me apetecer ao telemóvel, lavar a loiça/lavar a roupa/arrumar a casa e o quarto/limpar quando quiser e bem entender!
Quero poder estar com quem amo quando e o tempo que quiser, que me deixem amar quem eu quero sem critica-la pelos seus erros passados e que me deixem ser feliz a minha maneira!

Quero poder ter a possibilidade de ter a noção de quão difícil é realmente a vida de deixar de ser tão protegida de tudo e todos! Estou farta desta prisão!!

sábado, 12 de outubro de 2013

CONTO: « E se eu dissesse que nunca te esqueci? »

O barulho do autocarro fez-me acordar de sobressalto. Atónita, olhei em redor e deparei-me com a maioria dos passageiros em pé. Uns procuravam as malas, outros esperavam, impacientemente com as malas na mão, que a fila se deslocasse. O jovem rapaz, de maciços caracóis loiros que passara a viagem toda sentado ao meu lado, olhou para mim, e com ar fatigado, explicou:

 
 - Houve uma avaria qualquer e agora temos de percorrer o caminho a pé até à aldeia mais próxima.

Assenti e esboçando um sorriso cansado, encostei a cabeça na janela à minha esquerda, olhando lá para fora. O vento abanava os ramos das árvores com tanta veemência, que pareciam querer largar-se e voar a qualquer instante. O sol ainda brilhante e maravilhoso ameaçava desaparecer sobe a linha do horizonte.
  " Sam! " , ouvi alguém chamar. " Sam?! " , voltou a chamar. O rapaz ao meu lado agitou-se no banco. Olhei para ele, estava completamente imóvel. 
  " O que se passa? " gesticulei com os lábios, pondo-lhe a mão no ombro. " É a minha irmã. " sussurrou. E assim, como se fosse a sua deixa, apareceu uma moça cintilante de cabelos loiros ondulados.

  - Porquê que fugiste?! - perguntou numa voz esganiçada, dando-lhe um empurrão. Só segundos depois é que reparou em mim. - Ah! - exclamou. - Sou a Clara! - sorriu. - Ele é o Sam... suponho que ele nem se apresentou. - fez uma careta. 
  - Olá Clara, sou a Su. - retribui o sorriso.
Sam fez uma careta e depois começou a rir. Em seguida Clara também se riu e eu, inevitavelmente, me juntei ao coro de gargalhadas. Assim que conseguimos parar de rir, pegamos nas malas e saímos do autocarro tal como todos os outros.
  - E agora? - perguntei.
  - Vamos andar até à Aldeia Violeta. - murmurou Sam enquanto tentava perceber o mapa que tirava do bolso. Aldeia Violeta. O nome era-me estranhamente familiar.

Repentinamente, tive um flashback: vi-me em criança a brincar com um rapaz mais velho. Riamos, felizes com a presença um do outro. Uma senhora, minha mãe, estava sentada no sofá a arranjar um par de calças.

  -   Su... Su?   - Alguém me acordou daquele sono acordado, o Sam. -  Estás bem?   - perguntou preocupado.

Acenei afirmativamente coma a cabeça e comecei a andar arrastando a mala atrás de mim enquanto Clara e Sam, em passo de corrida, tentavam me acompanhar. Após termos passado vários quilómetros, depará-mo nos com uma pequena cidade praticamente isolada na floresta. Era ali, a minha casa, a minha terra natal! Uma lágrima escorreu-me pela face ao lembrar-me de todos os momentos que passaram nesta aldeia. Limpei a cara com a manga da camisa e sorri. Pé ante pé, avançávamos pela cidade. Agora, a única coisa que iluminava o nosso caminho eram as poucas luzes que emanavam das janelas das casas e da lua.
Observei o caminho de pedra, os becos e as lojas, relembrando a minha feliz infância. Ao chegarmos ao fim da estrada de pedra, depará-mo-nos com uma casa discreta, escondida por vários pinheiros. Sorri.

  -    É ali. A minha casa.   - puxei o Sam pela mão em direção à casa.

Bati à porta. Um homem musculado e alto, de face simpática, abriu a porta. Era ele, o meu irmão!

  -   Su? Há quanto tempo?   - Abraçou-me. - Entrem, entrem!

Entramos e fomos até à cozinha conversar. Passado umas horas, convidou Sam e Clara para passarem as férias connosco e claro que aceitaram.
Já na cama, apesar de exausta, não conseguia dormir. Algo me atormentava o sono, impedia-me de dormir. Saudades? Sim, mas de quê? Fechei os olhos e, sem mais nem menos as lágrimas apareceram inundando-me a cara e levando com elas toda a alegria que me restava. Limpei-as e aconcheguei-me à almofada e assim fiquei. Quando dei por mim já era de dia. Sai da cama e fui comer cereais. O galo não tardava em cantarolar, por isso vesti-me o mais rápido que pude e sai de casa, tentando chegar à igreja o mais depressa possível. 
Entrei cautelosamente. Estavam todos de pé a cantar. Assim que pararam, o Padre concluiu a missa, dando os bons-dias e permissão para que saíssem. Fui empurrada para fora de lá. Esperei que todos seguissem o seu caminho e à sua rotina. Suspirei impacientemente.
De repente, dei de caras com ele. Nunca mais o vira, mas agora lá estava ele, à minha frente. De mãos nos bolsos e com o mesmo olhar sereno de antes e sorriso cativante, aproximava-se de mim. Todo o meu corpo tremia, e aquela sensação ácida e familiar apoderou-se do meu estômago. Ele sempre tivera esse efeito em mim. Já ao meu pé, sem dizer uma única palavra, abraçou-me com força. Retribui o gesto apertando-o ainda mais contra o meu corpo. Há tanto tempo que ansiava aquele reencontro. Larga-mo-nos.

   -   Tive saudades tuas.   -  olhou-me de cima de cima a baixo.
  - E eu tuas. E pelos vistos continuas o mesmo "engatatão" de sempre, mesmo sendo Padre...   -  sorri.
   -   Nada disso.   - fingiu-se inocente -  Amor... hoje foi a minha última missa. Vou desistir.
   - Porquê...? Porque me chamas de "amor" ?
   - E  se eu dissesse que nunca te esqueci?

sábado, 28 de setembro de 2013

Nunca me senti tão bem !*

Jamais me senti assim tão bem, comigo mesma e com o mundo, é como se tu fizesses com que tudo esteja bem e com que eu não precise de me sentir insegura ou mal por ser quem e como sou, fazes-me sentir amada, confortável, bem vinda, sexy, feliz. Sem ti nada seria o mesmo porque contigo não só aprendi muita coisa como cresci. Sinto-me mais eu e mais confiante. Não sei como o fazes... como me levas às nuvens sem me tirar os pés do chão, como me fazes sentir radiante com apenas um sorriso ou olhar, como me fazer sentir protegida com apenas um abraço e como me fazer sentir amada com apenas um beijo ou uma carícia. Já te disse  " é como se fosses um íman que me atrai para ti, algo me puxa, me encanta, me faz vibrar. Algo em ti, não sei o que é mas quero passar o resto da minha vida a descobrir, o teu lado :$ ". Eu amo-te meu amor!!

o amor tem muitos lados...

Ultimamente tenho visto como o amor tem muitos lados, tudo depende do ponto de vista, tanto pode fazer-te voar como te pode destruir. Apesar de tudo é a sensação mais maravilhosa do mundo mesmo que essa pessoa tenha de ir embora, mesmo que não são destinados a ficar juntos fica sempre o amor e as memórias que é sempre, sempre, vosso e de mais ninguém. São memórias e sentimentos que ora te podem matar como te podem dar força para continuar a viver e a lutar pelos teus sonhos. Como eu disse, tudo depende do ponto de vista e de como tu queres ver tudo o que está à tua volta e tudo o que está em ti, bem guardado...


Texto inspirado na C.Camacho e na L.Barbosa*

sexta-feira, 20 de setembro de 2013


Tento não ver o inicio das aulas como algo maçador mas sim como um novo desafio, uma nova meta, uma nova oportunidade para ser melhor e para fazer melhor. Por isso este ano, vou tentar manter-me sempre interessada nas aulas e tentar estar sempre motivada, porque eu mereço dar o meu melhor pelo meu futuro :D
Por isso, a todos, um BOM ANO LETIVO! 

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Byebye Verano*


Assim se dá o fim do meu último dia de férias :C
Espero que o verão chegue depressa! Todos esperamos...

domingo, 15 de setembro de 2013

Regresso as aulas :C


Tento aproveitar os meus últimos dias de férias mas sinto-me mais cansada do que nunca. Será que foi por ter ido dormir estes últimos três dias às 3 horas da manhã e acordar as 8:50 ou 11h? É não sei não... Tenho mais 2 dias de férias e não sei o que faça comigo própria! Sim podia tentar me preparar para o regresso às aulas ao planear como me vou vestir, como vai ser o meu penteado, que mala levar.. vocês sabem, aquelas coisas de mulher  U.U  mas nem pica tenho para isso. E agora? :(

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Verão ! *0*

Não há melhor ocasião para voltar a encontrar quem realmente somos e o que realmente queremos, para podermos recarregar as baterias, fazer o que gostamos e relaxar.
Não há melhor altura para arriscarmos e entrarmos em novas aventuras! 
Não há melhor altura para fazer novas amizades e voltar a contactar as antigas! 
É uma excelente ocasião para namorar e apaixonar-se heheh !

Em suma: 
não há melhor altura para sermos felizes *0*

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Aquela sensação*

Sabem aquela sensação de quando O vêem ao longe e o vosso coração começa a bater mais depressa, a respiração acelera, as palmas das mãos começam a ficar suadas? 
Aquela sensação de quando ele começa a aproximar-se e as nossas pernas começam a fraquejar? 
Aquela sensação de quando ele sorri e a nossa cara fica quente por estarmos a corar? 
A sensação de quando se inclina para nos cumprimentar e cheiramos o seu perfume, que agora se tornou no nosso cheiro preferido? 
Aquela sensação de borboletas no nosso estômago quando ouvimos a sua voz, que agora é a nossa melodia favorita? 
Aquela sensação de formigueiro que fica na nossa pele depois dele nos ter tocado? 
Aquela sensação, de que quando olhamos nos seus olhos, não há mais nada a não ser nós os dois? 
Aquela sensação quente que sentimos no nosso peito? 

Sabem aquela sensação de que o que vos estou a escrever está a fazer todo o sentido e que aquele nome, sim dele, do tal, apareceu na vossa cabeça o tempo todo?

Sabiam que isso é amor? :$

7 mêses de uma Eternidade !


Antes de ti tudo era preto e branco, sem rumo, sem direção e sem sentido. Quando apareceste na minha vida tornaste-a colorida meu anjo! 
Graças a ti sou feliz. É graças a ti que sei o que é amar alguém, como é sentir-se amada, o que é estar lá incondicionalmente por alguém, o que é sorrir quando se pensa em quem ama, o que é estar constantemente a verificar o telemóvel com a esperança de ter recebido uma sms daquela pessoa especial...Fizeste-me ver o mundo de outra forma, já não a preto e branco mas sim coma as cores mais bonitas que alguma vez vira !
Nunca saíste do meu lado, ajudando-me a lutar contra quem me queria pôr em baixo e contra quem me quer mal. Sempre tiveste paciência comigo (e sei que isso não é fácil de todo) sem nunca, NUNCA, desistir de mim. A ti só tenho a agradecer!
Foste capaz de me estender a mão e ajudar-me a levantar, de me acolher nos teus braços quando tudo o que me apetecia era chorar e desistir. Foste e és um porto de abrigo!! És o meu sonho tornado realidade bebé.
E estes são apenas 7 mêses de uma Eternidade. Amo-te! :$

sábado, 1 de junho de 2013

A Segunda Pérola

Era um dia nublado com vento fresco que passava de vez em quando, mas não seria o tempo que me impediria de vê-lo. Estava nervosa por lhe ver porém não me podia sentir mais preparada do que já estava para lhe conhecer. Por dentro estava eufórica! Não parava de pensar em como estaria ele agora que se tinham passado dois anos; se a sua voz seria igual pessoalmente; se ele estaria crescera desde a última vez que estive com ele; se as coisas iriam mudar assim que nos tocássemos; se ficaríamos finalmente juntos... Essas questões repetiam-se constantemente na minha cabeça enquanto andava em direção do ponto de encontro. 
Ele chegou uns segundos antes de mim... vi-o ali... esbelto, aguardando a minha chegada (...) Estávamos tão envergonhados e cansados da distância, que nem olhámos nos olhos um do outro... Comecei então a falar, porém nada de geito me saia da boca. Repetia incessante vezes " ...depois deste tempo todo...? " ao que ele me respondia " tens razão, tens toda a razão... ". Ambos lutávamos contra aquele sentimento estranho que nos puxava um para o outro, que nos fazia perder a linha do raciocínio... 
Parei de andar e encostei-me à parede ao seu lado, já mais calma e num tom mais triste disse " Depois de todo este tempo desistes agora?... ". Ele brincava nervosamente com a capa do telemóvel contra a parede a minha trás, " Tens razão, não te posso tirar a razão... " voltou a repetir olhando para mim enquanto eu analisava o chão. 
Voltei a andar para frente e para trás, porém repetia jocosamente as suas palavras - " tens razão " -. Encostei-me mais uma vez à parede mas desta vez do seu outro lado, olhando-o nos olhos (que fixavam o telemóvel) e rindo com ele. 
De repente olhou-me nos olhos, sorriu e inclinou-se para mim. A sua mão tocou no meu pescoço, com o polegar a fazer pressão na pele junto do meu maxilar, puxando-me para ele enquanto que os seus lábios se fundiam nos meus. O tempo parou e mais nada existia, era só ele e eu , nós os dois, o aqui e agora...
Após os beijo, abraço-me com força, como nunca ninguém me abraçara antes fazendo-me sentir protegida, confortável e amada, como se o meu lugar sempre fora nos seus braços! Afastei-me ligeiramente, queria olhar-lhe nos olhos e ter a certeza de que não estava a sonhar, que ele realmente existia. Olhou para mim e sorriu com os seus olhos a brilhar. 
"E agora?" perguntei. "Não sei." respondeu-me. Continuamos abraçados, sem nunca querer largar... Sabíamos que a nossa vida nunca mais seria a mesma  desde esse dia...

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Aquela Praia Deserta...

Estava ali sentada na areia de uma praia deserta, olhando para as ondas cinzentas e ligeiramente agitadas, sem pensar em nada que não fosse as ondas cinzenta. Senti algo tocar-me nas costas muito levemente, virei-me e dei de caras com um Ser de estrutura magnificamente imaculada quase perfeita...Ele estendeu-me a mão como que me convidando para dançar a valsa. Observei a sua mão seguidamente a sua face voltando novamente a olhar para a mão. Estendi o meu braço hesitando antes de agarrar na sua mão. A sua mão estava quente e agarrara na minha mão de forma delicada mas firme. O seu olhar brilhante fixava-se no meu, convidando-me a confiar nele, e assim o fiz. Sorri, parecia que lhe conhecia a uma eternidade... Deixo-me guiar por ele até ao mar, que agora já se acalmara um pouco, entrando pelas ondas a dentro. Soltou-me a mão e sorriu convidando-me, novamente com o olhar, para lhe seguir o ritmo enquanto nadava. Ele nadava de forma tão graciosa e descontraída que nem parecia humano. Desajeitada tentava acompanhá-lo e assim que apanhei o geito esqueci-me completamente dos meus stresses, problemas, ansiedades e medos.
Após nadarmos durante algum tempo regressamos à praia e senta-mo-nos lado a lado na areia maciça. Ao lado daquele Ser misterioso estava um cesto de piquenique repleto da minha comida favorita. Ele abre o cesto e de lá pairou o cheiro do seu conteúdo deixando-me com água na boca. Em seguida ofereceu-me um Oreo. Agradeci, peguei na bolacha e dei uma dentada, até parecia que era a primeira vez que estava comendo aquele tipo de bolachas! 
Assim que paramos de comer levanta-mo-nos e ficamos frente a frente. Sorriu ternamente para mim e senti-me a corar. O quê que quereria aquele ser de mim? Estendeu a mão e colocou uma madeixa de cabelo atrás da minha orelha. Com a outra mão puxou-me para o seu peito envolvendo o meu corpo num quente e doce abraço. Depois, vagarosamente, largou-me sorrindo e fez uma vénia. Ri e corei simultaneamente fazendo também uma vénia. 
E assim Ele se afastou de mim tão subitamente quanto apareceu...

quinta-feira, 23 de maio de 2013

« Não é insónia, é saudade. »

O relógio marcava as quatro horas da manhã... Lá fora a chuva caia, fazendo um tilintar hipnotizaste. Na cama ela permanecia inerte, enrolada no calor das memórias. Não conseguia parar de pensar nos na hipóteses de um passado diferente, nas opções que não considerou, os erros que cometera e nas oportunidades que perdeu... Não conseguia esquecer nem perdoar o mal que lhe fez. Ele era um doce de pessoa, tão maravilhoso, tão... tão... tão perfeito! Ela não se sentia digna de estar ao seu lado. Ele era perfeito demais para ela.
Enquanto as lágrimas lhe corriam pelo rosto e o coração se apertava no seu peito, as memórias deles os dois assombrava a sua mente. Todas as conversas até a madrugada e todas as gargalhadas e todos os toques e todos os olhares... agora resumiam-se a nada. Ela jurara nunca partir-lhe o coração, mas assim o fez. Mesmo sem ter tido a intenção de o magoar, magoou  Contudo, apesar de toda a dor, bem lá no fundo ela sabia que o amava de um geito diferente e que eles nunca poderiam estar juntos...

«Princesa»

Texto Dedicado à C.Camacho.

A sua voz terna e grave estremeceu ao meu ouvido provocando no meu corpo um arrepio... A sua voz permanecera igual apesar dos anos todos que tinham passado! «Princesa», voltou a dizer porém no meu outro ouvido, voltei a arrepiar-me. Senti as suas mãos na minha cintura puxando-me para ele. O seu calor aqueceu-me as costas provocando-me novamente um arrepio pelo meu corpo todo... «Princesa,» - repetiu ele - «nunca devia ter-te abandonado... Não sabia o que estava a perder, não te dei valor...» apertou-me mais contra ele enterrando a sua face na cavidade entre o meu ombro e a minha clavícula. «Sei que te fiz sofrer, mas mudei... quero corrigir os erros que cometi. Poderás alguma vez me perdoar?».
De repente, viro-me para ele e vejo no lago azul dos seus olhos, agora transbordados de lágrimas, o seu sofrimento, dor e saudade como que numa súplica para que voltasse a me entregar a ele. Tocou-me na face. «Desculpa» murmurou. [...]

sábado, 18 de maio de 2013

Os confins da minha mente...

Fui dormir tarde, e assim que pousei a cabeça na almofada as lágrimas irromperam os meus olhos molhando a minha face. Não sabia ao certo porque chorava... se era da dor latejante que sentia irromper no meu peito ou se era pelo enorme vazio que sentia na minha vida... A minha mente ia sempre buscá-lo, procurando-o sedento por mais, mais amor, mais paixão, felicidade, adrenalina... Naquele momento tinha medo de voltar a ser magoada, de voltar a me precipitar, de me deixar levar pelos momentos, de fazer asneiras, de me entregar... medo do imprevisto e do desconhecido... 
Dou por mim de novo em busca da memória dele nos confins da minha mente. Sinto saudade dele, tanta que perdi a vontade de sorrir e de ser feliz. Sinto que recuei mil passos, para o momento em que me sentia tão só... 
Sei que tenho um terrível defeito: creio demais nas pessoas. Creio em cada palavra, cada toque, cada suspiro, carícia, cada inspiração e expiração... Adapto-me à pessoa, entrego-me, prendo-me, habituo-me e fico de tal forma confortável que nem antecipo a sua partida. Nunca estou à espera. Nunca acredito que vá acontecer. Não quero acreditar. E quando dou por mim ali estou com o coração partido, novamente, nas minhas mãos, chorando até não ter força para mais nada, até as lágrimas secarem e até cair num sono profundo.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Nunca vão perceber.


Estou aqui sentada na cama, de novo com aquele desejo. Aquele desejo que me persegue há uma semana. O desejo de me expressar através da escrita mas sem saber o que dizer, nem como dizê-lo. Aquela vontade de voltar a pegar num papel e numa caneta e apenas escrever. Escrever mesmo que não faça sentido...mesmo que ninguém perceba a minha letra... mesmo que eu chore...até a tinta da caneta se acabe ou até o teclado se quebre...
As pessoas que supostamente se preocupam comigo estão me dizendo o que fazer e o que não fazer... como agir... Falam de mim como se eu não pudesse ouvir... falam sobre nós... como se eu não soubesse o que estou a fazer... como se eu fosse estúpida, uma criança ingénua... talvez o seja, uma criança...
...A minha felicidade saiu daquela porta contigo. A minha vida deixou de fazer sentido após receber o teu e-mail. Não me respondes aos sms, não me atendes as chamadas... Sinto um enorme vazio dentro de mim.
Como foste capaz de desistir de tudo, quando prometeste que irias lutar por nós?! Como foste capaz de desistir de mim?! De que vale as nossas discussões parvas se no final do dia não podemos voltar a estar nos braços um do outro?! Falhamos... Mas ainda há tempo!... Não há?... Podemos voltar atrás!... Não podemos?...
´´Eles´´ não percebem, nunca perceberão. Não sei como lhes explicar que te amo... EU AMO-TE!! Nunca vão perceber... Nunca vão perceber que cada momento que passo contigo sinto-me livre, sinto-me EU, sinto-me independente e capaz de tudo. Nunca vão perceber o amor que nutrimos um pelo outro. Acham que sou um Ser incapaz de perceber o Amor por ser "nova demais para essas coisas". Nunca vão perceber que ao estar ao teu lado estarei sempre protegida, nada nem ninguém me fará mal...Nunca vão perceber que me forneces ideias para o futuro, o teu e o meu futuro, que és um rapaz decente, que... Nunca vão perceber. Ninguém me pode ajudar porque nunca vão perceber O Nosso Amor. Mas pouco importa agora o que me aconteça agora pois já perdi tudo o que tinha a perder...

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Citação do dia :)

Neste silêncio...


Sinto o gosto dos teus doces beijos, o teu cheiro nas minhas narinas, o teu calor no meu corpo, o teu toque sobre a minha pele, a tua voz no meu ouvido... mas não te vejo aqui! Sei que não estás... Mas isto parece tão real!... Vejo-te perante mim, sorridente., com aquele brilho nos teus olhos que eu tanto amo. Faz algum tempo que não te vejo desse geito... Espera, oiço-te dizer o meu nome. Ah!, é tão linda a melodia da tua voz. Dou uns passos em frente tentando chegar a ti, fecho os olhos na tentativa de dispertar desta sensação de... aperta-se-me o coração... Sinto o teu toque e o teu perfume arde-me as narinas. Volto a abrir os olhos e deparo-me com nevoeiro. Nunca vi nada assim. Aflita procuro-te... contudo não te encontro. Não te vejo. Não te oiço. Não te sinto... mas pressinto a tua presença. É como se tivesses mesmo aqui! Isto é de loucos, é estúpido, nem aqui estás! Estás longe de mim. Mais do que nunca... Mas... mesmo assim não quero acordar desta ilusão ou sonho ou miragem... chama-lhe o que quiseres. Não quero perder-te, porém parece-me que não importa o que faça ou diga, pois nada mudará. Apenas pedia apoio, proteção e amor. Será que exigi demasiado de ti?... Abandonaste-me quando mais precisava de ti!! Eu preciso de ti!
De repente sinto os teus braços a minha volta. Abraças-me  e sinto-me protegida, amada e segura.
Não, não quero acordar desta loucura. 

Posts Mais Vistos: